Quando começar a escrever?

por Geisiane Alves

stack-letters-447579_1280

Trata-se de palpitante ocupação esta do escritor. Porém, ao cogitar escrever, há o medo de se lançar, de deixar de ser sonhador e arriscar. Não obstante aquele que quer escrever um livro tenha o otimismo de ter um tesouro amordaçado, que será um best-seller, é difícil capturar o momento certo de começar a escrever – para alguns.

Quando sei que é o tempo de escrever um livro?

Quando você precisa dizer algo e sentimentos transbordam, é a hora de começar a escrever. Às vezes também o que precisa ser dito é uma necessidade, porque não cabe mais dentro de você o turbilhão de emoções que o atinge. Dizer que “há tempo para todas as coisas” é a mais pura verdade. Há o tempo de escrever, independente da idade, é preciso que surja aquela inspiração, vontade (leia-se também “obrigação”), enfim, há o momento certo.

Mas, lembre-se, quando chegar a hora, não postergue escrever, não deixe passar a oportunidade, invista o seu tempo, as suas forças e todas as suas potencialidades na escrita. Com certeza, você se sentirá muito bem, não apenas por estar colaborando de alguma forma, mas porque você precisa se expressar e, ao fazê-lo, estará aliviando o fardo da existência.

Às vezes também a vontade/necessidade ou inspiração de escrever vêm porque você lê muito, sobre diversos assuntos, e as ideias ficam fervilhando em sua cabeça e você precisa desabafar de alguma forma, “se livrar” para não ficar sufocado. Se você for criativo e/ou introspectivo, escrever pode ser uma boa saída. Você já ficou tão frustrado ou revoltado com algo que viu ou vivenciou e que simplesmente não conseguiu se desprender? Escrever pode ser a maneira de manifestar todos os sentimentos reprimidos. Mário de Andrade já dizia: “Escrevo sem pensar, tudo o que o meu inconsciente grita. Penso depois: não só para corrigir, mas para justificar o que escrevi.”. Pode parecer difícil, e é difícil escrever; é se libertar, se permitir, deixar que os outros o conheçam, como você pensa, o que defende, como enxerga as pessoas e o mundo e o porquê escreve. É reunir no papel ou na tela tudo o que “grita” em sua mente em palavras bem articuladas e com significados.

Se você é aquela pessoa que sempre foi fascinada pela leitura e escrita, mas nunca parou para “digitar” suas conjecturas, sentimentos ou ensinamentos do mundo para o mundo, comece agora a exteriorizá-los. Não tenha receio de representar ou denunciar o universo à sua volta, diante de tanta injustiça no mundo, é normal você ver e se importar. Escreva!

Não espere passivamente por um sinal para escrever. Vivemos num contexto conturbado, todos têm impressões do que está ocorrendo à sua volta e anseia por desdobramentos mais satisfatórios ou mesmo escapar da realidade que o cerca. Você, criança, adolescente, jovem, adulto, que não quer se calar diante do que vê, que se revolta com toda violência, maldade, crianças vivendo à míngua, faça a sua voz ser ouvida. Levante-se e transcreva suas impressões. Desperte e dê voz às suas alegrias, conquistas, utopias, incertezas ou aprendizados. Você pode ser contundente, falar por metáforas, por teorias, por poesia; não importa o meio, escreva!

Por fim, se há o desejo genuíno e acredita que pode escrever um livro, é preciso agir para alcançar a realização. Pois, como já nos foi instruído, “a fé sem obras é morta”.

E não hesite em publicar o que escrever. Em vez de guardá-lo a sete chaves, nos procure. Nós o ajudaremos a publicar a sua obra!

 

Designed by Pixabay.com