ATÉ AONDE IREMOS? – 2ª EDIÇÃO

ATÉ AONDE IREMOS? – 2ª EDIÇÃO

ATÉ AONDE IREMOS? – 2ª EDIÇÃO

  • Modelo: ATÉ AONDE IREMOS? – 2ª EDIÇÃO
  • Autor(es): Epitácio Medeiros
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$34,90

  • Sem impostos: R$34,90

O mundo vive uma grande inovação de valores que vai de encontro a outras culturas consideradas ultrapassadas e fora dos novos paradigmas. Mas algo faz despertar para uma série de indagações em que a principal delas consiste em sabermos até aonde iremos chegar. A evolução da sociedade ganha novos patamares que parecem não ter limites dos avanços que vão sendo alcançados a cada dia. É o mundo onde os veículos de informação e comunicação quebram cada vez mais as distâncias. Isto, sem dúvida, é algo louvável. No entanto, ao mesmo tempo em que a tecnologia avança de forma surpreendente trazendo mil e uma facilidades para atender as necessidades humanas, por outro lado vamos percebendo algo muito abominável e terrível: a violência humana incontrolável. Por que isto então? Nunca se viu tantos atos bárbaros praticados pelo ser humano como temos presenciado a partir dos últimos vinte anos. E aonde isto vai  ter seu final? Será que a conquista do progresso e do desenvolvimento socioeconômico e científico-tecnológico tem a ver com essa realidade assolada pela violência humana ou será o cumprimento de previsões apocalípticas? Tudo leva a crer que a última indagação está correta.

Todavia, diante de tal realidade outra indagação vem surgir: se todos esses acontecimentos tristes acham de ocorrer numa atualidade em que nos deparamos com um mundo maravilhoso de avanços tecnológicos e científicos, bem como econômico e intelectual, vale a pena viver ? O mundo novo sem dúvida é fruto da evolução da capacidade criativa e intelectual que o homem faz multiplicar de maneira ilimitada. A preocupação diante disto é que o ser humano não consegue impedir os acontecimentos adversos que a violência e a desestruturação do relacionamento familiar chegam a registrar. Até parece que o mal está vencendo o bem. Todavia, uma coisa é certa: se todas essas ocorrências resultam em cumprimento de previsões proféticas provenientes de Deus, o Senhor Supremo e Eterno, não resta dúvida de que não temos como impedi-las.

É óbvio que a vida jamais pode deixar de exercer o seu primeiro lugar diante de todas as coisas porque ela é o princípio e a razão de tudo. A evolução que alcançamos cada vez mais tem sua razão de ser. No entanto, quando essa evolução chega ao ponto de criar consequências para a vida, então, tudo deixa evidente que é preciso se pensar até que ponto as inovações atingirão. A humanidade em si caminha levada pelo consumismo de tudo que a tecnologia lança porque o que importa para as pessoas é consumir para satisfazer suas necessidades e vaidades exacerbadas. Essa é a realidade nua e crua da sociedade presente que parece não se preocupar com as consequências que podem advir.

No entanto, diante de tudo isto vem a seguinte indagação: Como viverá as gerações de um futuro próximo quando já estamos enfrentando as consequências de um mundo atingido por tantas adversidades? Não podemos parar no tempo e no espaço, isto é verdade, mas se somos fruto de uma criação superior que nos deu uma mente para pensar como agir, uma mente para que analisemos os riscos e consequências do que fazemos, logo, somos a causa de resultados desagradáveis que venham ocorrer a cada dia. Precisamos pensar nas gerações futuras porque elas são a nossa continuidade e, também, pelo fato de que cada geração deve assumir a responsabilidade pela vida e tudo o que se faz necessário para assegurar a existência humana. Pensar no que podemos deixar de positivo e importante para as gerações que nos sucederão é procurar buscar a responsabilidade pela vida sem alimentação de egoísmo e indiferença.

Parametros Livraria
ISBN 978-85-411-1638-1
Acabamento Brochura
Edição
Ano 2019
Páginas 208
Altura 21 cm
Largura 15 cm
Peso 270 grs
Idioma Português
Cidade Tambauzinho
Estado PB

Escreva um comentário

Nota: HTML não suportado.
    Ruim           Bom

Etiquetas: Reflexões